Sábado, 18 Novembro 2017

Zé Lezin veio tomar chá dos Alpes na Suíça e trouxe na bagagem muita alegria

Por Jornal Perfil: Texto Isa Bustamante/ Entrevista Helen D. Garrido/ Fotos Gery Schädler

Quem esteve na Suíça e até tirou os repórteres do sério de tanto rir foi Zé Lezin, personagem do humorista Nairon Barreto, 56 anos, que participou da Escolinha do Professor Raimundo, Zorra Total, Show do Tom (Cavalcante), entre tantos outros quadros de humor dos principais canais de televisão do Brasil. O paraibano Nairon aproveitou uma das poucas brechas na agenda para visitar à sua irmã Sandy Wälchli, em Zurique. A entrevista exclusiva com Nairon ao Jornal Perfil foi feita no meio de muito humor, boas gargalhadas e também algumas partes sérias.

Nairon voando pela primeira vez do Brasil para a Europa: "No avião eles informam que estamos a tanto de altura e que fora do avião está a tanto de temperatura... e pra quê eu quero saber disso? Não pretendo abrir a porta e pular dele!!!rsrsss", brinca o artista.

Pela primeira vez na Europa, Nairon Barreto e sua esposa Alana, antes de irem visitar sua irmã na Suíça, aproveitaram para conhecer alguns outros países e ficaram encantados com o velho continente, em especial com Portugal, já que era sonho de sua mulher conhecer a cidade de Fátima. Depois passaram uma semana no país do chocolate "matando a saudade" da irmã. Todos passearam por diversos lugares como Lucerna, Basiléia, Ticino, Schaffhausen. Depois desse curto, mas intenso roteiro, ele diz que observou os mais diferentes tipos de pessoas na Europa, em especial no país dos Alpes. E, com certeza, Sandy, que também é muito divertida, vai servir de grande inspiração. "Minha irmã adora repetir as coisas, fala mil vezes. E tem um tal de chá dos alpes que ela vivia dizendo que era bom. A mulher falou tanto desse chá, mas tantos, que acabei ficando estressado e o chá era para relaxar! ".

O humorista começou sua carreira com um grupo folclórico na universidade tendo a oportunidade de viajar para diversos lugares do Brasil e exterior. Ele se diz muito orgulhoso por ter participado da primeira montagem do Alto da Compadecida, antes mesmo de ser descoberto pela tevê Globo. Na verdade, o artista tem vários motivos para se orgulhar da sua trajetória profissional. "Meu personagem, o Zé Lezin, já existia há um bom tempo e participou de uma das primeiras redes de televisão do Brasil. Trabalhei com Otavio Mesquita em São Paulo, depois como a Manchete foi vendida, passei para a Escolinha do Professor Raimundo a convite do Chico Anísio. Foram 6 anos como ator na Escolinha e mais 4 como redator. Não satisfeito, fiz um curso de assistente de direção indo parar, logo em seguida, no programa do Fausto (Faustão).", lembra o humorista.

Com mais de 30 anos no ramo do humorístico, o profissional ainda atua em outras áreas, como Coach. Nairon oferece palestras de motivação em empresas. "Nas empresas, geralmente quando vem crises, as pessoas ficam desmotivadas, porque a nossa mídia brasileira é pioneira nesse lance de deixar as pessoas para baixo. As notícias que a gente tem na TV e no rádio são só de tragédias : morreu fulano e beltrano. Como eu não tenho funerária, desligo tudo. Eu só gosto de notícias boas. Justamente nos horários que estamos descansando vêm as noticias ruins, daí as pessoas ficam sugestionadas. Então, vou para as empresa para falar do lado bom que nós temos através de uma forma engraçada», explica. Mesmo com tantos compromissos, porque se apresenta em diversas cidades do Brasil com seu show, o nosso artista ainda acha tempo para fazer comerciais, de acordo com Nairon, ele tem mais de 1000 exibidos na televisão. O comediante tabém tem vários DVDs gravados, como: Ze Lezin Com Platéia Vip, Ze Lezin gravado no Teatro Guararapes e Zé Lezin 30 Anos De Humor.

Em sua visita à Suíça, o artista se diz impressionado com a beleza e cultura do país. Nesta hora, a entrevista fica mais séria, o intérprete do Zé Lezin se diz decepcionado com a estrutura política brasileira. "Sou uma pessoa que gosta de regras e respeito pelas pessoas, isso é muito importante. A Suíça apóia a educação dos seus cidadãos, pois este país sabe que o ser humano sem ela, que é a base de tudo, não é nada. O maior desgosto é saber que você se doa ao seu país e ele não te dá nada de volta. Isso é o que me choca!", analisa.

Mas como Zé Lezin e Nairon têm muita alegria para compartilhar, a passagem pela Europa rendeu boas experiências e inspirações. Não só pelo chá dos alpes que Sandy insistiu para seu irmão tomar e desestressar, e sim pelo senso de observação somado a tanta criatividade e talento de Nairon. Não será de espantar se em breve virmos novas sátiras de europeus em seus shows e palestras. Afinal de contas, precisamos de gente que traga humor dos bons para dentro de nossas vidas neste mundo tão frenético.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.